Opinião – True Blood: Sangue, sexo e alteridade

Leitora do @Seriadosemserie colabora conosco escrevendo sobre True Blood.

True Blood. Para além do fato de que sempre adorei histórias de vampiro (meu nick no saudoso mIrc era “mairavampira”) e de que os vampiros em questão são mesmo irresistiveis, fico me perguntando o que há de tão legal nessa série a ponto de não me entediar depois de assistir quase duas temporadas seguidas, de uma vez só.


Numa primeira olhada, True Blood parece não passar de mais um desses enlatados com um novo embrulho – pegando carona na modinha dos filmes de vampiro. Mas, alto lá! Eu não sou assim tão fácil. Há de ser algo mais além de vampiros bonitões e muitas cenas tórridas de sexo atroz e sanguinário.

Logo na abertura, uma dica pra gente se ligar: lê-se rapidamente num letreiro ao fundo de uma das cenas ‘God hates fangs’ (Fangs significa “presas”, referência aos caninos dos vampiros, mas com um pouco mais esforço dá pra entender o trocadilho com Fags = bicha, viado). A intolerância à alteridade é o tema central em True Blood.

Nessa série ninguém é o que parece, ninguém está com a consciência tranquila, todo mundo tem um trauma ou um passado negro e, aos poucos, assim como os próprios personagens, nós, espectadores, vamos aprendendo que não se pode confiar em ninguém. Preconceito é um tema recorrente. Não é pra menos. A quase totalidade dos personagens principais é parte de alguma “minoria” – se é que dá pra chamar assim. Negros, gays, vampiros, lobisomens, transmorfos e etc. Há tanta diversidade de gêneros e seres que o conceito de “maioria” se perde na diegese. Todo mundo é algum tipo de outro – diferente, caricato, interiorano, medíocre, suburbano. E a base dos conflitos se estabelece justamente na questão da dominação entre raças e gêneros.

Para além das questões relativas à alteridade – tão contemporânea e multiplamente discutível – há também uma pegada diferente nessa já tão batida estética vampiresca. Há um grau de humor negro bastante provocativo nas cenas de sanguinolência e carnificinas e uma pitada de cinema trash nas melecas em que os vampiros se tranformam quando morrem. O clima sombrio do universo dos vamps, lobisas e afins é sempre quebrado por um tom sarcástico e uma boa dose de erotismo. Os figurinos são provocantes e remetem à estética do fetiche, abusando de látex, correntes e maquiagem pesada. O “instinto animal” se manifesta a todo momento e todo mundo parece estar numa espécie de tesão eterno e coletivo. Sexo e romance não andam juntos aqui.

Algo na direção de arte também nos provoca ao questionamento: o paradoxo entre a assepsia e a elegância dos ambientes “vampirescos”, e uma certa decadência kitsch nos espaços no mundo “normal”. E, claro, no centro da narrativa, há o amor impossivel da “mocinha” com essa espécie de anti-herói que ninguém sabe ao certo ainda pra que veio. Estamos na terceira temporada ainda e muita coisa pode mudar. Mas eu gosto dessa tendência ao desvelamento de mais e mais camadas de entendimento.

Meus instintos estão aguçados.
Quero mais True Blood.

*A capinha delícia que a Rolling Stone deu pra série disse tudo:

Por: Maíra Ezequiel
Retirada do Blog: http://www.muitoma.blogspot.com/

Nós do Seriados em Série adoraríamos ter sua colaboração sempre Maíra.

Publicado em agosto 4, 2011, em Opinião, Review, True Blood. Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. #FATO que essa capinha eh delicia 2 vx kkk com o Eric e Bill na capa.. tudo fica Delicia… haha. Adorei a Conclusão do post..

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: