Review: How I Met Your Mother 7×13 – Tailgate

Como é difícil conversar com o seu pai, hein Marshall?
Ah, sinceramente, gostei dessa volta, mas esse episódio depois do longo hiatus, talvez não valeu muito. Ele tentou e tentou esforçar-se ao máximo para se fazer um episódio dramático, mas nem chegou aos pés do 6×13 “Bad News”, e as nostalgias nem foram boas.
O narrador na maior parte foi Marshall, to adorando esses episódios que não só o Ted narra a história. Marshall visitando o túmulo do pai pra contar o ano novo da turma? Será que foi uma boa idéia? Foi um bem tanto estressante pro Marshall ter que aturar os irmãos que resolveram visitar o pai no mesmo dia, e ainda mais os vizinhos pobres que não tinham uma TV, rádio ou celular para escutar o jogo que era apenas exclusivo, para Marshall e seu pai. Então vem cá, porque o Marshall teve que contar histórias que nem estava fazendo parte? Essa Sétima Temporada tá fazendo do Marshall um belo personagem desnecessário, que está servindo apenas para ser o pai da criança de Lily.
Não estou gostando do Marshall nessa temporada, não teve uma cena dele que não ri até agora, ou emocionei enfim, o 7×10 então fez dele um completo retardado, sinceramente.
Bom, parando de falar do Sr. Eriksen, vamos falar da mulher dele, a dona Lily. Meu Deus, que plot bonitinho, ela achando que o pai dela nem se importou com ela grávida, desligando na cara dela, quando How I Met Your Mother mais uma vez com uma de suas reviravoltas, fala que no momento que ele desliga na cara dela, comemora até falar chega de feliz da filha grávida e vai atrás dela. Devia ter focado mais nisso que o Marshall visitando o túmulo, e não curti muito as nostalgias de quando Marshall era pequeno e tal, e o pai fazendo churrasco pra ele.
THE PUZZLES ARE BACK! Gostei de rever aquela idéia do bar de Ted e Barney pondo em prática, mas acho que os produtores esqueceram do episódio 4×13 “Three Days of Snow”, quando Barney e Ted tomam conta do MacLaren’s e aproveitam do seu bar preferido e tal, e pouco depois chama a galera pro apartamento do Ted, mas enfim, apesar que repetido foi um plot bem usado, porque olha, tivemos a boa volta do Doug, o bar tender que deu uma surra neles em 4×10 “The Fight” !
Haha, boa volta vírgula, apesar que Doug sem a peruca agora queria se vingar, o cara nem meio que estragou o ano novo de Ted e Barney, cobrando absurdos nas bebidas, e na própria entrada no MacLaren’s. Então tipo, depois de uns quatro anos eu acho, ainda ter raiva dos caras? Não compensou muito, mas bem que tentaram colocar mais cenas com o personagem, quando Barney e Ted resolvem contratá-lo de segurança do Puzzles. O mais legal do Puzzles no apartamento de Ted é que na medida que as brigas e quebros de copos começavam, o preço da bebida aumentava, isso foi awesome.
Pra finalizar essa review enorme (que eu não esperava, pois o episódio foi mais ou menos, mas episódios ruins é que são bons de comentar), temos o plot  de Robin voltando a ser ancora. Fiquei feliz com isso, e foi um tanto engraçado o Sanders levando o segundo fora do dia porque queria um ménage com sua namorada e Robin hehe. Ai pelo amor, até quando Kevin meu deus? Não agüento mais!
Nota do Episódio: 7.2
@ipcs_
Anúncios

Review: The Good Wife 3×11 – What Went Wrong


Com certeza havia algo errado com aquele julgamento.

Sabemos que é um bom episódio de The Good Wife quando o episódio começa direto no veredicto de algum caso. E ainda colocando Kalinda e Alicia se comunicando no mesmo episódio? Muita delícia esse último episódio do ano.


A questão de Kalinda e Alicia já está se arrastando por muitos episódios. Pensei que até o final de 2011 estaria resolvida. Porém, resolveram finalmente colocar Alicia descobrindo sobre o papel vital que Kalinda desempenhou na questão do sumiço da filha. Claro que essa questão seria abordada logo, e não fiquei em momento algum achando que demoraria muito tempo.


Do jeito que Alicia estava aparecendo no episódio – toda desligada – tenho certeza que muita gente achou que Diana iria mandá-la pastar em outra firma. Nunca passou pela minha cabeça, e com certeza seria algo em relação à parceira na firma.


O grande problema é que Alicia está muito à vontade com Peter, novamente. Espero que agora que ela acabou tudo com Will, não volte para Peter. Não vejo os dois sendo felizes. Aliás, se ela voltar para Peter, com certeza não conseguirá olhar Kalinda nos olhos por muito mais tempo.


Mas torço pela reconciliação das duas. É tão difícil achar duas protagonistas mulheres que conseguem uma química linda na telinha e as duas possuem. Portanto, espero que venha logo esse dia.


Em relação ao julgamento, foi muito bem usado todas as técnicas de espionagem que Kalinda possui, mesmo que isso a colocou na cadeia. Pior mesmo foi aquela jurada, que ficou contando TUDO para a árabe só porque ela mostrou interesse pela coleção de moedas.


Pensei que eles iriam conseguir achar um jeito de continuar com a história do jurado que descobriu que a testemunha foi o mesmo que matou um hispânico anos atrás, por isso não gostei muito de como terminaram o caso. Seria bem mais interessante se tocassem nesse assunto, considerando que a série sempre lida com temas controversos.


Porém, The Good Wife fechou 2011 com muitos altos e alguns baixos, e não posso deixar de comentar da cena em que Peter praticamente ameaça a diretora de TUDO que é possível no mundo, só para conseguir as vagas para os filhos. Desnecessário dizer também que mesmo que a motivação de Diane em tentar ser ‘amiga’ de Alicia não seja lá muito verdadeira, será uma boa mudada, considerando que as duas são as mulheres (juntas com Kalinda) mais fodas da série.

@marcoacpontes

Review: Pretty Little Liars 2×13 – The First Secret

Nunca pensei que um episódio só de Flashbacks fosse tão bom e perfeito como esse
Nunca pensei que os primeiros segredos de Pretty Little Liars fossem tão gostosos de assistir. O episódio não teve nada demais, foi muito simples, eu acho que gostei porque todos nós esquecemos todas as tramas malucas que a série já fez. Vimos como tudo começou, como Alison é insuportável, e outras coisas mais.

Tudo começa quando Noel faz uma festa de Halloween em que convida as 5 ”liars”, e lá começam a acontecer coisas misteriosas, e os primeiros segredos começam a surgir. Confesso que as “liars” eram meio chatas quando Alison ainda era viva, porque ela controlava todas elas. 

Primeiro preciso falar que Alison é muita chata e claro, muito bitchy, mas esse é o jeito dela, não vamos discutir. Mas agora já deu pra ter alguns suspeitos sobre quem deve ser -A. Lucas e Mona são os meus primeiros suspeitos, porque eles tem muita razão para querer se vingar de Alison. 

A parte legal do episódio foi ver Jenna muito diferente quando não era cega, ela era mais confiante, tinha até cara de que desafiava Alison. Eu apenas acho que o episódio foi apenas complementar, apenas isso. Mostrou como era a personalidade dos personagens antes de Ali morrer, e mostrou alguns suspeitos de -A. 

Pretty Little Liars voltou dia 02, daqui alguns dias você verá minha review do episódio então, até lá!

E mais:
– Lady G? É assim que chama aquela doida da Gaga? Fala sério Ali!
– Alison, sua fantasia nunca chegará aos pés a da Jenna, ok?
– Amei a Hanna de Britney Spears, me lembra da época de Baby One More Time, quando Britney prestava.

Review: Terra Nova 1×12/1×13 – Occupation/Resistence [Season Finale]

Uma season finale que cumpriu 1% daquilo que a sérieprometeu desde o inicio.

Duas semanas se passaram e só agora tive coragem de assistira season finale de Terra Nova. A série que vinha prometendo com seus trailers,sneak peek, pôsteres e entrevistas, além do peso do nome ‘Steven Spierlberg’,não cumpriu nada daquilo que prometeu. Pelo menos, em minha opinião, tivemosuma season finale digna. Nem sei e posso dizer ‘season’, já que não háconfirmação se a série volta em 2012 para uma segunda temporada.

A primeira parte não conseguiu me prendar na frente docomputador, me fazendo adiar ver o episódio. Apenas hoje, no ano seguinte,decidi dar uma chance àquilo que, de primeiro, não mostrou a que veio.
É dia da vinda da 11ª peregrinação e com ela, veio todosaqueles que queriam tirar uma casquinha da maravilhas do passado. Ma é claroque não seria assim tão fácil. Uma resistência foi montada a fim de impedir osplanos de Lucas Taylor.
Tudo pronto para mandar toda a riqueza de Terra Nova para opresente e, como toda resistência que se preze, Dad Taylor estava pronto para oque estava por vir: ao invés de Lucas mandar um container repleto de pedra meteórica,ele mandou um cornassauro, presente do dad Taylor e, de brinde, Dad Shannon comuma ogiva para destruir a Hope Plaza e toda a ligação do futuro com o passado.Terra nova está presa e a operação Phoenix está indo para o norte, uma regiãopouco conhecida pelo Dad Taylor, mas conhecida por outros povos e é isso quenos deixou curiosos para a próxima temporada. Mas apena isso: curiosos. Masnada que nos faça tirar o sono com uma ameaça de cancelamento que eu sei queestá sendo bastante discutida e até esperada por alguns seriadores.
Alguns pontos desse episódio não podem ser deixados de lado,como:
  1. Precisava mesmo a Wash ter ficado para trás? Eu acheidesnecessária e sua morte, uma completa perda.
  2. Juro que teve horas que eu queria ter deixado a Mandy paratrás. Na cena que eles estavam entre os containeres, se despedindo da Wash, apequena Zoe fez melhor seu papel do que a guria de boca aberta. Totalmenteirritante.
  3. Mandy aos pegas com o namorado no meio do nada.
  4. Sky, traindo Lucas para conseguir novamente a confiança deTaylor. Porém, ela mata o Taylor boy, então…Como será que isso seráresolvido? Confesso que isso me deixou na curiosidade também.
  5. E a mamy Shannon que, mais uma vez, com sua astúcia, livra omarido da cadeia. Isso que é mama!!

Acho que é só isso. Se esqueci algo, me perdoem…Deixemseus comentários. E até a próxima temporada. Ou não.
ps.: Não posso esquecer de dizer como ficou lindo o novo layoutdo nosso site. Amei!! 

Review: The Good Wife 3×10 – Parenting Made Easy

Martha resolve aparecer novamente.

E além do mais, sr. Canning está ajudando Martha. Sabia que seria um episódio lindo, principalmente por se tratar de Caitilin e Martha se confrontando em uma ARBITRAGEM. Todo mundo lá levou tudo aquilo muito a sério, sem contar o momento decisivo no final.


A questão era se o reitor sabia se ela era religiosa, e como ela confessou em um e-mail para a irmã que ela tem que esconder as crenças, obviamente ele não sabia. Isso tudo foi por causa do Sr. Canning, que foi logo dando ajuda à Alicia quando ela precisava, mas acabou sendo mais malvado, roubando os e-mails da bolsa da advogada. Pelo menos, ele esperou Grace estar segura.


Achei bem válido Peter se mostrar mais humano nesse episódio, quando ele diz que deixou a investigação da firma para os outros porque ele achava que se ficasse, talvez não seria tão rigoroso na investigação por ser a firma onde a mulher dele trabalha. Às vezes, gostando de pensar nele como um vilão, mas não é bem isso que ele é.


A série nunca fica violenta, então sabíamos muito bem que Grace estaria bem, mas bato palmas e de pé para Juliana Marguilies, que executou muito bem toda aquela sequência… Desde quando viu as 12 ligações e depois ouviu o carro, até o momento em que sai correndo atrás de todos para conseguir encontrar a filha.


Acho que teria sido uma boa hora para Kalinda mostrar o tanto que importa e ter deixado Grace comentado que ela que a achou e levou para casa. Talvez assim, Alicia e Kalinda voltassem a ser amigas, algo que está precisando acontecer há muito tempo. 

@marcoacpontes 

Review: The Good Wife 3×09 – Whiskey Tango Foxtrot

É, as vezes não dá para ganhar todas.

Todo mundo achou um choque e completamente inesperado a firma ter perdido o caso da mulher que matou 12 civis em um ataque contra os terroristas. Sinceramente, tanto faz se ela é mulher, se estava quase drogada, porra, ela matou 12 pessoas… 6 crianças.


Fiquei passado, porém, com a audácia que Alicia teve na corte militar. Claramente ela está muito solta, já que falou cada coisa. A juíza teve até que pará-la, mas Alicia sempre consegue falar as coisas quede um jeito que qualquer pessoa consegue entender, mesmo se ela não falou, de fato.


A série sempre consegue tocar em assuntos tensos e complicados para os americanos, e gostei do que fizeram nesse episódio. Podiam, porém, questionar a política. Os soldados lidam com questões complicadas, precisam trabalhar bastante e ainda há a questão que mortes de civis são consideradas apropriadas quando o algoritmo da cadeia de morte é favorável. Tudo isso poderia muito bem ser criticado, entretanto, como The Good Wife é um programa norte-americano, fica só para mim essa delícia de crítica.


O episódio foi meio tumultado com a questão dos queijos. É bom também para Eli perder as vezes. Confiou na pessoa errada e fez o gráfico errado. Gosto quando a série consegue achar uma forma de trazer de volta coadjuvantes marcantes. Foi o caso nesse episódio com a presença de Wendy Scott-Car. Foi belíssima a cena em que ela tenta fazer Diana se virar contra Will. Tenho certeza que isso vai acontecer em um momento futuro, mas não seria uma ex-política que conseguiria tal artemanha.


O momento mais engraçado ficou com Jackie levando na cara por ter mexido no computador da Alicia episódio passado. Porra, se ela não sabe como LIGAR, porque ela foi xeretar? Muito engraçado também a solução que Alicia teve para a questão do transporte: vamos comprar um carro para você, Zach!

 @marcoacpontes

Review: Hart of Dixie 1×09 / 1×10 – The Pirate & the Practice/Hairdos & Holidays

As pessoas mudam, e foi isso o que aconteceu com Lemon.

1×09 – The Pirate & the Practice


Ação de Graças Pirata! Acreditem porque foi isso que aconteceu em Hart of Dixie. Como Bluebell é uma cidade fora do comum, eles comemoram de forma lendária essa linda data, porque dizem que os piratas salvaram a cidade. Zoe obviamente não acreditou em nada disso, mas metade dessa história era real. Um prefeito salvou a cidade de algum absurdo. Zoe conseguiu sentir que essa história era importante para toda a cidade e que ela devia respeitar.
E Zoe teve que lidar com isso, teve um caso de um garoto que precisava de uma emergência clínica e que acreditava em toda essa lenda mirabolante. No final, ele descobriu que era mentira. Mas Zoe foi esperta e quis que o garoto se divertisse no feriado mesmo sabendo de toda a verdade, e isso rendeu momentos fofos, mostrando que Zoe pode ser fofa com as próprias crianças. E ela teve que fazer isso tudo, sabendo que precisava alcançar seus 30% da clínica, mas pelo menos foi alcançado.
Por outro lado, Lemon teve que lidar com os pais de George, querendo oferecer a ele um emprego em Nova York. Mas Lemon se mostrou uma mulher forte e mudou bastante sua personalidade. Ela arrasou em todos os argumentos e mereceu uma salva de palmas. E eu vou continuar a falar: Zoe, você está cega? Wade te ama e você ainda não percebeu isso?
1×10 – Hairdos & Holidays

Acho bom George abrir o olho porque ele está prestes a ser largado.
O episódio foi focado mais em Lemon do que a própria Zoe no episódio especial de Natal. Lemon teve mais destaques porque teve flashbacks em que ela sempre aparecia. Descobrimos todo o relacionamento entre Lemon e Lavon no passado, e descobrimos quem é a mãe de Lemon. Acho que a moça está prestes a largar seu noivo George, possivelmente no próprio altar.
Zoe foi ajudar a menina Rose a ganhar um concurso de beleza da cidade, mas elas tiveram que enfrentar Lemon com a sua irmã Magnolia. Mas nenhuma das duas ganhou o concurso, foi o que eu já esperava. Tivemos Wade e George “tentando” trazer uma árvore de natal de 5 metros da cidade, mas por causa disso, eles foram presos e depois é claro, foram soltos e puderam até trazer a árvore junto.
Fiquei indignado novamente porque Zoe rejeitou Wade. Quando será que vai perceber que menino Wade está a sua espera? O episódio de Natal foi perfeitinho quanto o de Planksgiving. Os dois episódios especiais de feriado não aconteceram praticamente nada, foi apenas diversão. Agora a série infelizmente entra em hiatus e só volta dia 23 de janeiro.
Se você quer saber o que está por vir em Hart of Dixie depois do hiatus, aqui está a promo:

Até dia 23 de janeiro!

Review: The Good Wife 3×08 – Death Row Tip


Não seria The Good Wife sem um episódio do corredor da morte.

Eles fizeram novamente! Em 2010, na segunda temporada, o episódio 9, exatamente, foi o primeiro episódio em que vimos um cliente no corredor da morte, horas à distância de morrer, e os advogados tentando fazer uma apelação. No episódio deste ano, eles não tentaram com tanta vontade igual ano passado, sem contar que tinha mais um caso envolvido com o assassino, mas mesmo assim, foi um episódio de grande agrado.


O melhor foi que reclamei review passado da falta que Cary anda fazendo na série, não tendo muita relevância. Aqui, além de reclamar, reclamou muito, cheio de ciúmes por Kalinda estar tentando fazer com que a outra mulher durma com ela. Cary sempre teve um sentimento não tão oculto por Kalinda, então é ótimo ver os dois finalmente se pegando (mesmo se essa pegação foi pouca).

No geral, o caso foi bem sólido. De alguma forma, um moço no corredor da morte sabia de um assassinato. Claro que também, Lockhart & Gardner teria algum cliente no meio, como sempre. A firma sempre trabalha como defesa, e nunca, como…….

Alicia teve um grande problema, por ter uma filha da mesma idade das que foram estupradas e mortas pelo moço no corredor da morte. Claro que ela iria sentir um peso, preocupando-se mais ainda com a filha. Gostei da aproximação de Zach com a filha de Eli, que sempre é ótima nas aparições.

Eli teve que lidar com um potencial candidato para alguma eleição e essa parte foi extremamente divertida. Um candidato que fez sexo oral no papai noel. Um dia comum em The Good Wife. Falando nisso, sabe quem não aparece por Chicago por um bom tempo? Celeste.

Tenho certeza que os roteiristas ainda a usarão bastante nessa temporada, principalmente por causa da investigação da promotoria envolvendo Will. Ainda estou muito ansioso com todo o plot das investigações sobre a firma. Tenho certeza que teremos muitas cenas épicas. Será que finalmente veremos a tão esperada briga entre Will e Peter?

 @marcoacpontes


Fotos Promocionais e Teaser Trailer de Skins 6° Temporada

 “This is Life, Not Heaven”

Hoje o site E4 Channel divulgou algumas fotos promocionais, da série jovem britânica Skins, que vai estreiar sua nova sexta temporada dia 23 de Janeiro, finalizando a 3° Geração que conhecemos na 5° Temporada: Franky, Mini, Rich, Nick, Alo, Grace, Liv e Matty, e agora na nova temporada teremos um novo personagem, o Alex, o homossexual da atual geração. Confira abaixo as novas fotos promocionais.

A Gangue
A Gangue
Franky
Alex, o novo.
Matty
Rich
Grace
Alo
Nick
Liv
Mini
Ontem, dia 27 de Dezembro, saiu um teaser trailer com diversas cenas do 6×01- Everyone (Season Premiere), apenas para dar aquele gostinho para os fãs. Dia 1° de Janeiro, será divulgado o 1° Trailer Oficial da E4 para a divulgação da temporada composta por 10 episódios. Confira o teaser trailer abaixo.
 Fonte: About Skins
Quer saber o que temos de novidades dessa nova temporada? Clique AQUI.
Dia 23 de Janeiro estréia a nova temporada de Skins, fiquem ligados!
@ipcs_

Blue Mountain State: Season 3 (3×06-3×13)


Go… Goats!

Blue Mountain State se despede de 2011 com 13 episódios deliciosos, em uma temporada irretocável, mostrando tudo o que tem de melhor: canalhice, irreverência, besteiras e bastões de gelo.

O que fez com que a série ficasse tão querida pelos fãs foi que mesmo sendo ridícula (quase sempre), sempre consegue manter um episódio com os temas mais absurdos e com um roteiro delicioso.





BMS 3×06: Blackout


O dia que descobrimos que Thad não se chama Thad.

Outro episódio delicioso e suculento de Blue Mountain State, mostrando que o melhor jeito de treinar para um jogo que foi adiado é jogar o jogo da cerveja e tentar tirar a fama do ‘sofá’. Tenho certeza que Moran devia estar tão bêbado na hora que nem deve ter percebido que aquilo não era a pikachu da loira. Ele deve ter gostado do mesmo jeito.

O mais interessante foi descobrir que existe um Chad CHOCOLATE, que tem medo de campos de força e acha que Moran tem peitos. Os dois juntos foi uma coisa linda de se ver, sem contar que além de possuírem a mesma filosofia de vida, ainda explicam direitinho se uma baleia caga no oceano.

Claro que o mais legal do episódio foi descobrir que Thad se chama Kevin e de alguma forma, SEMPRE tem a ver com o pai dele. Queria ver mais episódios flashbacks com esse velho que provavelmente usava a buceta de borracha todos os dias. 

 

BMS 3×07: Superstition

Harmon é um dos melhores personagens da série e só agora descobrimos isso.

Em um ótimo episódio que envolveu até videntes e exorcismos, descobrimos que Harmon foi uma boa adição à série. Já no começo da temporada, quando ele apareceu sem roupa, só com uma gravata borboleta para participar da orgia na casa do coach Daniels, já sabia que coisa mais deliciosa viria por aí.

Ele é o que mais pensa e faz safadeza (e sim, estou falando de quando ele acorda e cheira as bolas dele) e descobrir um pouco mais sobre a vida dele foi divertido. Quem diria que Thad era o problema por trás de todos os outros problemas? Foi um exorcismo mais alto e nu que já vi na minha vida.

Pior foi Sammy, que além de não possuir nenhum talento, vai precisar ficar mais dois anos na faculdade, já que desde o segundo semestre do primeiro ano que ele não coloca os pés na sala de aula. Será que ele realmente achava que ser mascote contava como todas as disciplinas que precisa cursar para se formar?

BMS 3×08: Fun Facts

Tem como não amar Thad?

Se você pensa em BMS, você pensa em Thad. Simples assim! Ele é o coração, a alma, o corpo (ui) da série. Não dá para negar isso. Fiquei morrendo de pena quando Mickey contou exatamente o que fez com Marty anos atrás e convenientemente, foi o mesmo que aconteceu com Thad.

A questão é que obviamente o treinador armou para o loiro. Ficou falando temporada passada o tempo inteiro que não achava uma boa idéia ele ser um profissional tão cedo e logo no começo da temporada, BOOM, cocaína e sexo em um barco roubado? Muito, muito suspeito. O pior é que o jogador gosta tanto do treinador e as vezes é tão ingênuo que ele sempre cai nessas armadilhas.

Achei a participação de Denise Richards bastante irrelevante nesse episódio. Tirando a dançinha, nada mais foi divertido. Até a cena em que ela estava na cama com aquele velho foi completamente sem graça.

Engraçado como as coisas acontecem, né? Moran agora vai pagar um pau para sempre para Marty. Sem contar que ele deixou duas trepadas para depois só para ouvir mais histórias do treinador. Ou seja, algo realmente estava chamando a atenção. 

BMS 3×09: The “C” Word


Queria levar uma cabeçada do Thad.

Acho que nunca ri tanto e senti tanto nojo em BMS igual foi nesse episódio. Primeiro que teve Sammy com a versão 127 hours para a TV, que ao invés de cortar o braço, cortou o mamilo e ainda tomou da própria urina para não beber uma cerveja.

Achava que Thad estava muito mais estranho do que o normal no começo do episódio. O mais engraçado do episódio inteiro foram os lapsos de memória de Thad. O ator continua mostrando muito versátil, conseguindo passar de alegre para nervoso em um segundo.

Jogadores de football realmente são muito burros. O tal suposto “melhor amigo” de Thad, que mal aparece na série, contou na maior cara dura o que estava acontecendo para o treinador de ataque. Super desnecessário a presença dele até agora na série. Devia ter saído logo naquele episódio em que Debra deu de presente para ele vaselina para ele enfiar aquele livro bem fundo no rabo.

BMS 3×10: One Week

Miss Tits e bastões de gelo.

No primeiro episódio documentary que a série faz foi o primeiro episódio que fiquei decepcionado com ela.

Não teve muitas piadas e partiram bastante para o óbvio. Sem contar que usaram excessivamente Thad e depois de um tempo, tudo ficou muito mais forçado do que já é.

Deviam ter usado mais Sammy e tenho certeza que em estilo documentary ele iria ser de bom agrado, como sempre.

Reclamei que achei que o treinador de ataque podia muito bem ter ido embora a muito tempo, mas não, eu estava errado. Ele precisava ficar mais um tempo na série, sendo um canalha, só para levar não um, mas dois bastões de gelo no rabo. 

 

BMS 3×11: Death Penalty

BMS ficando sério.

Quem diria que depois de milhares de episódios só dando tapa na cara da sociedade com esse jeito canalha e irreverente de ser, a série resolve jogar direito?

Tirando o fato que o episódio foi bom muito, com todo mundo tentando descobrir quem é o espião e o Coach Daniels quase casando com Thad (ia ser lindo essa cena) por causa disso, a série me surpreendeu, jogando um pouco de drama nos segundos finais. Claro que isso não vai durar por muito tempo né, já que estamos falando de BMS.

Seria bem mais aceitável que Sammy fosse de fato o espião, mas esqueci de Thad. Como não achar bonitinho o altão sendo companheiro e tentando mostrar para o velho tudo o que o time tem a oferecer? Pena que ele é muito burro para entender certas coisas.

Sem contar que né, o time não é lá essas coisas, mas nesta temporada, por causa de Moran, eles foram para algum lugar…. E agora não podem mais jogar? Chato, muito chato.

 

 BMS 3x12x13: Corn Field

Season Finale com cara de Series Finale.

Foi um episódio diferente e completamente paradoxal. Espero mesmo que a série volte para uma quarta temporada, considerando que essa última foi uma DELÍCIA de se ver, sem contar que teve muitos momentos absurdos e suculentos que só os roteiristas de BMS conseguem nos proporciar de forma tão divertida.

Achava que eles manteriam o clima sério do último episódio, mas não pensei que os dois últimos episódios seriam desse jeito. Foi diferente, tá, mas mesmo assim, mostra o tanto que a série tem coração e mesmo nos momentos mais vagabundos, ela ainda consegue nos fazer emocionar.

Pra começar, amei aquela plantação de maconha. Se eu tivesse aquilo, estaria feito. O legal dessa temporada foi o tanto de atenção que os coadjuvantes receberam, e com bastante razão: eles são tão legais quanto os principais. As visões de Thad só fizeram com que o episódio fosse mais interessante ainda, culminando naquele jogo com diversas referências à Friday Night Lights. Só faltava um cadeirante.

Alex Moran, Thad, Sammy, todos…. Um time que fará falta se a série não voltar para uma quarta temporada. Fico muito feliz em ver a série, já que é uma das produções mais sem noção do mundo, mas que funciona tão bem. Sem contar que esse último episódio funcionou mesmo como uma celebração à série e ao time, considerando que eles não puderam ganhar o campeonato de forma ‘legal’. 


No mais, espero logo por uma quarta temporada…. Se não acontecer, bom, pelo menos foi embora de um jeito bom e divertido.